"I hope the fences we mended
Fall down beneath their own weight"

John Darnielle

padaoesilva@gmail.com

quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

"Manéis" a mais


O aspeto mais positivo da exibição do Benfica contra o Boavista é que, a partir de agora, a equipa só pode melhorar.

É um facto que a organização defensiva foi, uma vez mais, muito competente, mas, também, talvez valha a pena recordar, a qualidade da equipa do Boavista só é comparável à da equipa de arbitragem. O que se anuncia, aliás, é um campeonato nacional nivelado por baixo, com um decréscimo de qualidade evidente – a provar o absurdo desta sucessão de alargamentos.

Por muita capacidade que Salvio e Gaitán tenham de acelerar e verticalizar o jogo, não há milagres. Uma equipa que no corredor central joga, em simultâneo, com Talisca, Jara e André Almeida terá sempre dificuldades em controlar as partidas. Uma coisa é jogar com um “Manel”, outra, diferente, é jogar com três ou quatro em simultâneo. O Benfica tem andado a abusar da sorte e a jogar com demasiados “Manéis”.

Já se percebeu, se dúvidas existissem, que Jorge Jesus não alterará a sua ideia de jogo. O treinador benfiquista é fiel ao seu sistema, mesmo quando lhe faltam jogadores capazes de o interpretar na plenitude. Entre jogar, por exemplo, com Gaitán atrás de Lima ou manter o argentino nas alas, Jesus optará sempre pela solução conservadora, mais fiel à sua ideia de jogo. A opção é legítima, mas é também mais exigente.

No fundo, o Benfica 2014/15, para funcionar, vai precisar de encontrar clones dos jogadores que tiveram sucesso no passado. Talisca (ainda?) não é, nem de perto nem de longe, um clone de Enzo, e muito menos de Rodrigo. Tem dificuldades gritantes para manter a posse de bola (é, a este propósito, o anti-Enzo) e falta-lhe a capacidade de verticalizar o jogo de Rodrigo. Já Jara começa a ser uma opção difícil de compreender: esteve em Espanha, voltou à Argentina e regressou com a mesma incompreensão em relação ao jogo de futebol.

Com Enzo e com um outro avançado, é certo, tudo mudará de figura. Mas o que custa perceber é como é que se demorou tanto tempo a planear uma época que tem um dérbi já no domingo.

publicado no Record de terça-feira

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Uma ilusão


Uma das transformações mais surpreendentes do futebol português nos últimos anos é de natureza lexical: a palavra “ilusão” (que significa, em português, um engano dos sentidos ou do pensamento) passou a ser utilizada também, e de forma indiscriminada, com o seu sentido castelhano (que é sensivelmente o contrário, uma esperança colocada em algo positivo). Não passa um dia sem que se leia, num jornal desportivo, um jogador a dizer que tem uma grande ilusão em relação ao seu futuro no clube A ou B.

Pois a estreia do Benfica no campeonato pode ser descrita como uma combinação do significado português e castelhano de ilusão. Há motivos para esperança, mas também há indícios de que podemos estar equivocados em relação à temporada que agora se iniciou.

A esperança alicerça-se nos sinais que foram de novo dados de que temos uma organização já consolidada, com princípios de jogo interiorizados e com jogadores capazes de os colocarem em prática. Percebe-se, em muitos momentos do jogo e, essencialmente, na dinâmica entre alguns jogadores (por exemplo, na forma como Salvio e Maxi atacam), que há muito trabalho já feito que não começou ontem. Mais, quando é preciso promover ruturas, a classe da Gaitán, Salvio e Lima emerge; da mesma forma que quando é necessário equilibrar a equipa, Luisão, Rúben e Enzo surgem.

Mas, não nos iludamos, as razões para ceticismo mantêm-se.

Continuamos com uma equipa curta. Há posições chave onde há um verdadeiro vazio – basta recordar que o ano passado tínhamos três avançados com características muito distintas, mas todos de muita qualidade (Cardozo, Rodrigo e Lima), sendo que este ano temos apenas um (Derley pode revelar-se uma aposta interessante, mas ainda não o é); até ver, os reforços não reforçaram, limitaram-se a compensar, com diminuição de qualidade, algumas das saídas; finalmente, há poucas alternativas para muitas posições.

Este Benfica chegou para o Paços de Ferreira, mas o Benfica que vimos, durante o período em que Jara e Talisca coexistiram no corredor central ofensivo, dificilmente vencerá contra adversários mais fortes.

Para já, não nos iludamos, mas continuemos com a ilusão de sempre.

publicado no Record de terça-feira

quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

e o carrossel voltou?



Na primeira parte da Supertaça fomos devolvidos ao Benfica da última temporada. Uma equipa com uma organização defensiva coerente com a forma como ataca e com princípios de jogo bem consolidados. Quem tenha visto aqueles primeiros 45 minutos ficou com a sensação de que o campeão tinha voltado e com ele o carrossel atacante. Será mesmo assim ou as razões para estarmos preocupados mantêm-se?

Se bem que o Rio Ave não seja a bitola pela qual o Benfica se deva medir, a verdade é que, depois de uma pré-temporada deprimente, bastou apresentar um onze praticamente só com jogadores da época anterior para regressar uma equipa que parecia uma memória distante. Este facto é, ao mesmo tempo, motivo de tranquilidade e preocupação.

Tranquilidade porque, apesar de todas as convulsões, há uma base que garante qualidade (pelo menos para consumo interno); preocupação porque o sistema de Jesus, que requer muita aprendizagem, precisa de jogadores habituados a pô-lo em prática. Ora, há ainda um risco de perder jogadores dos nove que foram titulares e que vinham da época passada. E, como se viu em Aveiro, a posição 8 é nuclear – e de enorme exigência física, técnica e tática –, pelo que a saída de Enzo é a maior ameaça a pairar sobre a forma como o Benfica joga.

Aliás, já se notaram alguns sintomas de um dilema tático que se colocará ao longo da temporada. Talisca, que durante a pré-temporada jogou na posição de Enzo, apareceu mais avançado. Este sistema, com três jogadores no meio-campo, enquanto equilibra a equipa, retira eficácia na hora de marcar. Não por acaso, não houve capacidade de transformar em golos o carrossel ofensivo.

Mas a maior preocupação continua a ser a ausência de reforços para posições-chaves. Enquanto se andou a comprar Candeias, Djavans e Luís Filipes, não se cuidou de contratar jogadores de qualidade (à cabeça um guarda-redes). Seguindo outros exemplos, uma boa resolução seria transferir vários jogadores para o banco mau e com o seu salário dar um aumento significativo a Enzo. Resolvíamos grande parte dos nossos problemas e podia ser que o carrossel atacante voltasse para ficar.

publicado no Record de ontem

quarta-feira, 6 de Agosto de 2014

Estou chocado


A semana passada escrevi aqui que estava assustado com o que a pré-temporada do Benfica anunciava. Apontei três motivos: a incerteza quanto ao que seria o plantel e a ausência de soluções para lugares-chave; a falta de qualidade dos reforços em relação aos jogadores que haviam saído; e ainda um défice de maturidade na equipa. Uma semana depois, nenhum destes problemas foi resolvido (aliás, agudizaram-se) e surgiram novos.

Se a semana passada estava assustado, esta semana declaro-me chocado. Não consigo perceber como é que, a apenas seis dias do início da temporada, o Benfica tem tantos problemas por resolver, sem que se vislumbre uma explicação para a paralisia que se vive na Luz.

O que me surpreende não são as vendas. O que me deixa estupefacto é não terem sido encontradas alternativas em tempo útil. Reparem: desde maio que se sabe que Fejsa não é solução até 2015 e não se cuidou de encontrar um substituto para a posição 6; há um mês que não temos guarda-redes e, desde que Rodrigo foi vendido, em Janeiro, que devíamos ter uma alternativa. Esta ausência de planeamento afigura-se incompreensível.

Entre os reforços, há alguns com qualidade. Mas, convenhamos, uma coisa é integrar Derley, Talisca, Bebé ou Benito numa equipa estável e equilibrada, outra, bem diferente, é lançá-los no meio do caos que é o jogo do Benfica agora. Isto é tanto mais difícil quanto Jesus pede às suas equipas uma organização defensiva que não se aprende no espaço de dias.

No fim, o mais insólito de tudo isto: a crer no que se tem passado, o porta-voz do Benfica é Jorge Jesus. Nas últimas semanas tem sido o único a dar a cara. É altura de os dirigentes explicarem o que se está a passar. Se temos de fazer uma reestruturação financeira, que nos seja dito. Se perdemos ao mesmo tempo três parceiros estratégicos (o BES, Jorge Mendes e o Real Madrid – será que é a venda de Garay que explica a ida de Casemiro para o Porto?), é bom que nos seja explicado. O que não é aceitável é nada sabermos e andar-se a fingir que a senda vitoriosa da temporada transata é para continuar.

publicado ontem no Record.

Ele era perigoso



Quem se senta nas bancadas do Estádio da Luz sabe bem como, ao longo de sete anos, Óscar Cardozo dividiu os adeptos. Não passava um jogo sem que se escutassem críticas pela lentidão com que o paraguaio jogava; pela forma como, alegadamente, estragava a nota artística do jogo ofensivo do Benfica; ou pelo sem número de oportunidades fáceis desperdiçadas. Ora, raro era o jogo em que Cardozo não silenciava os críticos, marcando golos atrás de golos. Temo bem que, nos próximos tempos, os mesmos que não se cansaram de criticar o Tacuara chorem e lamentem a sua ausência.

O futebol, como o resto da vida, é muito ingrato. No caso de Cardozo parece-me, contudo, que era algo mais do que isso que esteve sempre em causa. Criticar o paraguaio era revelador da incapacidade de muitos para compreender um jogo de futebol e, acima de tudo, esquecer o essencial. Cardozo era lento, sim, é verdade, mas digam-me um jogador com a sua estatura que não o seja; Cardozo falhava muitos golos, pois sim, na exata medida em que criava para si muitas oportunidades; Cardozo prejudicava a nota artística, talvez – mas o que conta no futebol é quem marca mais golos, e o paraguaio estava lá para isso, com um registo que fala por si (e que não será ultrapassado nos próximos tempos).

Para mim, Cardozo é, no entanto, mais do que isso. É o avançado perigoso, que provocava medo nos adversários, e que marcava golos, com o seu pé esquerdo canhão e infalível, enquanto eu formava os meus filhos no benfiquismo. Sei que para o Vicente e para a Leonor, o Cardozo vai ser o que para mim foram o Filipovic e o Nené. Uma memória inicial dos golos do Glorioso. Também por isso fico-lhe agradecido para a vida.

(resposta à questão, "vai ter saudades de Cardozo?", publicada ontem no Expresso Digital)

quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Uma boa explicação



Todos os dias são como o primeiro dia.

terça-feira, 29 de Julho de 2014

Estou assustado


Na semana passada, Jorge Jesus tentou tranquilizar-nos, dizendo para não estarmos “assustados por terem saído muitos jogadores, pois vamos fazer uma equipa com a dimensão e a exigência do Benfica”, para acrescentar que “claro que demora um pouco mais de tempo do que o normal”. Percebo o otimismo da vontade do treinador, mas por mais voltas que dê, não consigo deixar de estar assustado. Podia enunciar muitas razões, destaco três.

Incerteza: estamos a 12 dias do primeiro jogo oficial e há demasiadas questões em aberto – desde jogadores para posições-chave que ainda se terão de juntar ao grupo (pelo menos um 6 e um guarda-redes), como muitos outros que podem ainda sair. Este contexto de incerteza faz parte do futebol de hoje, em que grande parte dos passes de jogadores é detida por fundos. Mas, convenhamos, a razia que temos sofrido, bem como o tempo que se tem demorado a encontrar substitutos, tem poucos paralelismos e leva-nos a questionar a capacidade de planeamento do clube.

Imaturidade: a ideia de que se pode construir uma equipa para ganhar campeonatos apenas com jogadores jovens é peregrina. Numa época longa e exigente é necessário talento, mas são igualmente precisos alguns cabelos brancos em lugares decisivos. Por mais futuro que tenham os atletas da formação ou os jovens estrangeiros, sem jogadores capazes de estabilizar emocionalmente a equipa e de ter voz de comando em campo, não se vai lá. Ora, neste momento, só Luisão, Maxi, Rúben e Lima reúnem estas características. A permanência de Enzo é, por isso, fulcral para oferecer maturidade ao meio-campo.

Qualidade: vender é uma lei de ferro do futebol moderno. O problema não foram os jogadores que saíram, mas, sim, o facto de, até ver, os jogadores que saíram serem individualmente muito superiores aos que entraram (Rodrigo por Derley; Garay por César; ou, pior, Enzo por Talisca; já para não referir que Candeias e Pizzi juntos não fazem um Markovic). Como bem sublinhou Jorge Jesus, “só trabalho não chega, tem de haver qualidade”.

publicado no Record

quarta-feira, 23 de Julho de 2014

O tempo urge

Das duas uma, ou o planeamento de uma temporada não serve para nada, e então não há nenhum problema na forma como o Benfica preparou 2014/15, ou, de facto, é fundamental preparar com tempo cada época e o que se anuncia é motivo para muitas preocupações.


Parece-me que era uma inevitabilidade o Benfica ver a sua equipa desmantelada após o sucesso da temporada anterior. Tirando a “venda” que continua por explicar de Garay, todos os outros negócios eram irresistíveis. O que espanta não é a corrida à equipa titular do Benfica, mas, sim, o facto de estarmos a caminhar rapidamente para o início da nova época e não se ter cuidado de encontrar substitutos à altura com tempo. Há demasiadas incertezas em relação a quem fica e, pior, lacunas gritantes para lugares chaves. Se é possível começar a trabalhar com um guarda-redes a uma semana do início da competição ou formar um meio-campo novo em dez dias, então tudo o que se diz sobre planeamento no futebol é falso. Por este andar, vamos ter de esperar pela véspera da Supertaça para ter um jogador para a posição 6 e outro para a 8 (Talisca, sejamos realistas, é, apenas, um projeto de jogador).


Já tivemos plantéis desequilibrados e repletos de jogadores de qualidade duvidosa. O que não me lembro é de termos assistido a uma debandada tão grande da equipa titular e a uma diminuição tão significativa da qualidade individual dos jogadores do Benfica, como está a acontecer neste defeso. Se nada mudar nos próximos dias, a nota artística do último ano ficará guardada no baú das memórias.


Este quadro é tão mais preocupante quanto o que nos foi sendo dito é que para quebrar a hegemonia do FC Porto era necessário vencer o campeonato mais do que um ano seguido. Se estamos perante uma reestruturação financeira, que terá evidentes implicações desportivas, era preferível assumi-lo. O silêncio da direção do Benfica em relação ao que se está a passar nesta pré-temporada é ensurdecedor – a menos que esteja a ser preparada a tirada de dois ou três craques da cartola nos próximos dias. O tempo urge.

publicado no Record de ontem