"I hope the fences we mended
Fall down beneath their own weight"

John Darnielle

padaoesilva@gmail.com

quarta-feira, 23 de Julho de 2014

O tempo urge

Das duas uma, ou o planeamento de uma temporada não serve para nada, e então não há nenhum problema na forma como o Benfica preparou 2014/15, ou, de facto, é fundamental preparar com tempo cada época e o que se anuncia é motivo para muitas preocupações.


Parece-me que era uma inevitabilidade o Benfica ver a sua equipa desmantelada após o sucesso da temporada anterior. Tirando a “venda” que continua por explicar de Garay, todos os outros negócios eram irresistíveis. O que espanta não é a corrida à equipa titular do Benfica, mas, sim, o facto de estarmos a caminhar rapidamente para o início da nova época e não se ter cuidado de encontrar substitutos à altura com tempo. Há demasiadas incertezas em relação a quem fica e, pior, lacunas gritantes para lugares chaves. Se é possível começar a trabalhar com um guarda-redes a uma semana do início da competição ou formar um meio-campo novo em dez dias, então tudo o que se diz sobre planeamento no futebol é falso. Por este andar, vamos ter de esperar pela véspera da Supertaça para ter um jogador para a posição 6 e outro para a 8 (Talisca, sejamos realistas, é, apenas, um projeto de jogador).


Já tivemos plantéis desequilibrados e repletos de jogadores de qualidade duvidosa. O que não me lembro é de termos assistido a uma debandada tão grande da equipa titular e a uma diminuição tão significativa da qualidade individual dos jogadores do Benfica, como está a acontecer neste defeso. Se nada mudar nos próximos dias, a nota artística do último ano ficará guardada no baú das memórias.


Este quadro é tão mais preocupante quanto o que nos foi sendo dito é que para quebrar a hegemonia do FC Porto era necessário vencer o campeonato mais do que um ano seguido. Se estamos perante uma reestruturação financeira, que terá evidentes implicações desportivas, era preferível assumi-lo. O silêncio da direção do Benfica em relação ao que se está a passar nesta pré-temporada é ensurdecedor – a menos que esteja a ser preparada a tirada de dois ou três craques da cartola nos próximos dias. O tempo urge.

publicado no Record de ontem

quarta-feira, 9 de Julho de 2014

Um quotidiano previsível



Adepto que se preze gosta do defeso. É por esta altura que todos os sonhos são possíveis: que vislumbramos no “8” que vimos no YouTube o craque que, lá para abril, vai decidir o título; que fantasiamos com o ponta-de-lança letal, mas de técnica apurada, que finalmente chegará; e que temos a certeza de que vamos descobrir a próxima pérola africana, um avançado explosivo, de remate potente. Este presente de ilusões artificiais alimenta, como poucas outras coisas, a paixão pelo futebol. Por esta altura, deixamos que as manchetes de jornais nos mintam, como que para prolongar um sonho que sabemos que nos afasta da realidade. 
Eu quero acreditar em todas as contratações do Benfica, mover-me por uma fé que anuncia um futuro de novas glórias e de novos talentos. Mas é também chegado o momento de reclamar por uma pré-temporada que se inicie com uma estrutura estável, com os mesmos jogadores do ano anterior. Como benfiquista tenho direito a, exijo mesmo, um quotidiano previsível.
Reparem, não estou a dizer que gostava que os jornais desportivos parassem de me iludir. Quanto a isso, a minha disposição é a de sempre: prefiro ser o último a descobrir a verdade. Para que vejam, ainda acredito que o Klinsmann vai jogar no Benfica e que é desta que o Ulf Kirsten assina. A questão é outra. Podem entrar jogadores e, com alguma razoabilidade, até estou disponível para aceitar algumas vendas – desde que, claro está, acima dos 20 milhões. O que não aceito é que se desmantele uma equipa de um momento para outro.
O assunto é bem sério. Como muitos outros pais, tenho responsabilidades acrescidas. Estou a educar duas crianças no benfiquismo e preciso de referências estáveis, que lhes transmitam valores seguros. Não posso garantir aos meus filhos que o Oblak vai ser o melhor guarda-redes do Mundo, explicar-lhe que devemos confiar sempre nas decisões do Enzo e anunciar-lhes que este vai ser o ano da afirmação do Markovic e, subitamente, a minha palavra perder valor, porque nada do que lhes prometi se vai confirmar.
Senhor presidente, pense também nisto.

publicado ontem no Record

segunda-feira, 7 de Julho de 2014

O Johnny Cash teria gostado muito disto



passou-me completamente ao lado o disco de estreia do John Murry - não quero que vos suceda o mesmo

terça-feira, 1 de Julho de 2014

Anos de imaturidade


Nasci em 74, pouco antes do verão. Cumpro por estes dias 11 anos. Talvez esta seja a melhor explicação para todas as coisas. Não somos a idade que temos, mas o número de Mundiais que vivemos.

Já intuía que assim era, mas a confirmação tive-a num vídeo da revista espanhola “Líbero”. Uma revista notável, com uma campanha notável, organizada sob o lema “se te explicam com futebol, percebes”.

No último dos vídeos da série, em breves 70 segundos, veem-se homens infantilizados, que choram de tristeza, esbracejam, choram de alegria e se revelam insensíveis a tudo o que os rodeia. Toda a atenção está centrada num televisor onde, somos levados a crer, passa um jogo de futebol. Enquanto percorrem as imagens, uma voz em tom de lamento, como se estivesse a admitir uma falha de comportamento que não tenciona superar, reconhece: “Há uma coisa que nos diferencia substancialmente das mulheres: amadurecemos mais devagar. Até quando somos adultos, somos menos adultos. Aceitemo-lo, vivemos de Mundial em Mundial. Por isso amadurecemos mais devagar. Quatro anos mais devagar.”

Se amadurecemos ao ritmo dos Mundiais, o mês que estes duram é de celebração dos nossos aniversários – são semanas de festa, desprovidas de sofrimento. A dor e a ansiedade regressarão não tarda, com os campeonatos nacionais e a paixão clubística. Este momento é distinto: é um mês de prazeres pueris, de horas roubadas ao trabalho, à família e ao sono. Um mês em que nos celebramos e nos entregamos com deleite egoísta ao televisionamento de todos os jogos.

Peço desculpa, as contas da “Líbero” nem sequer estão corretas. Em teoria, nasci em maio de 74, pelo que não estava ainda desperto para o Mundo durante o Mundial da Alemanha e não guardo memória do que se passou na Argentina. Para todos os efeitos, nasci em Espanha, em 1982, ao longo de tardes de verão, e fui formado na derrota da aproximação romântica que o Telé Santana ofereceu ao futebol, com o escrete onde coexistiam Zico, Falcão, Sócrates, Cerezo, Júnior e Éder. Desde então, não falhei um único Mundial.

Sendo assim, estou a cumprir 9 anos. O que ajuda a compreender tudo o resto.

publicado hoje no Record.

(entrenta a Líbero desenvolveu o teste que faltava: quantos mundiais de vida te restam?)



segunda-feira, 30 de Junho de 2014

Portugal: a childhood ended

"(...) I went through my formative years (rightly) thinking that the whole reality could be encapsulated in the dramatic tension arising from the clash between eleven superheroes (Benfica’s players) and their opponents. I felt no need to become a Star Wars geek or get interested in Marvel comic-book characters. For me, football matches provided all answers. Benfica became my idea of morality and, aesthetically, I believed that nothing could overcome Chalana’s dribbling skills or Nené’s swift pace. That’s the boy I was then, and still is a major part of who I am today.

In 1982, I was also facing a dramatic quandary. There were no Benfica players involved in the World Cup, so I didn’t know which team to support. (...)"


A Al-Jazeera convidou 32 adeptos dos 32 países participantes a escreverem um texto sobre a sua relação com o Mundial. Calhou-me a mim escrever sobre Portugal, isto é, escrever sobre o Benfica. O texto, em inglês técnico, pode ser lido aqui.

quarta-feira, 18 de Junho de 2014

Uma possível explicação para todas as coisas

terça-feira, 17 de Junho de 2014

Uma conversa com St. Vincent


Aos 31 anos, é uma das vozes mais singulares da música contemporânea. Uma espécie de reincarnação sob a forma de anjo de Jimi Hendrix. Ao quarto álbum, sintomaticamente, homónimo, Annie Clark, melhor dizendo St. Vincent, tem uma música desafiante que desperta fantasmas, combinada com uma linguagem visual muito marcante.

Deu um dos grandes concertos do Primavera Sound na passada semana, no Porto, e antes de subir ao palco, estive à conversa com ela. Uma entrevista que pode ser escutada aqui.