"I hope the fences we mended
Fall down beneath their own weight"

John Darnielle

padaoesilva@gmail.com

quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

O Benfica Reconstruído


Depois da avalanche de saídas e de incertezas que marcou o defeso, o Benfica podia ter optado por uma resolução dos seus problemas assente na mudança de ciclo. Não o fez e escolheu a solução conservadora. Manteve os princípios de jogo e procurou encontrar para cada posição jogadores que fossem clones dos que deixaram o clube. A opção está a resultar. Claro é que até ao fecho do mercado houve vários espectros a pairar: as saídas de jogadores-chave e as entradas demasiado tardias de alternativas competentes, para não falar de uma mão-cheia de contratações inexplicáveis. O atraso no planeamento teve, aliás, consequências: esbanjámos dois pontos contra o Sporting, em importante medida porque os reforços não vieram a tempo.

O otimismo com que podemos hoje encarar a temporada não é fruto de uma leitura ciclotímica, sensível à marcha do marcador. Pelo contrário, a solução conservadora dá garantias em relação ao Benfica reconstruído para esta temporada. No balanço de saídas e entradas, o Benfica só está mais frágil no centro da defesa. Não há na equipa equivalente para o que Garay oferecia, nomeadamente as saídas a jogar, de forma muito vertical, que permitiam galgar metros na primeira fase de construção. De resto, há sectores onde a equipa estabilizou e outros onde até está mais forte.

No ataque, Rodrigo tem mais potencial do que Jonas, mas, hoje, Jonas não é inferior a Rodrigo e há, claro, o surpreendente Talisca. Nas alas, perdemos a aceleração de Markovic, mas a equipa teve um reforço tremendo – Salvio –, e existem alternativas competentes no banco (Sulejmani, Ola John e Bebé). No centro do terreno, a lesão de Ruben é uma perda importante, pelo sem-número de soluções que oferecia, mas Samaris tem mais recursos do que Fejsa, e Cristante pode ser o jóquer que André Gomes foi. Sobra a baliza, onde Artur garante a tremedeira de sempre, mas Júlio César pode dar a mesma estabilidade de Oblak. Para consumo interno, o Benfica reconstruído chega e sobra. Resta saber se o mesmo será verdade na Champions.

publicado ontem no Record.

quinta-feira, 11 de Setembro de 2014

O Nick Drake teria gostado muito disto

terça-feira, 9 de Setembro de 2014

Pensem nisso


A paixão clubística é um dos aspetos mais estáveis da nossa identidade. A vida vai e vem, o clube fica. Sempre. Isso mesmo recordava Eduardo Sacheri. Adepto fanático do Independiente, escritor argentino, vencedor de um Óscar para melhor filme estrangeiro com “O Segredo dos seus Olhos” (a ordem não é aleatória), reconheceu numa entrevista que, por melhor que lhe estivesse a correr a vida, sobre a felicidade do momento pairava sempre um risco: e se o Independiente perde?

O escritor argentino conta mesmo que, na noite em que recebeu o Óscar, enquanto esperava no hotel em Las Vegas, o filho ia-lhe mandando SMS com a marcha do marcador de uma partida com o River. A certa altura, a equipa de Avellaneda perdia por 2-0 com os “milionários”, mas, no fim, deu a volta e venceu. Sacheri confessa que, se o seu clube tem perdido, em algum momento dessa noite de consagração teria esquecido o fervor e a alegria de receber um Óscar e ter-se-ia encostado a um canto a pensar: “Estes filhos da mãe, como é que perderam hoje?”

Podemos tomar esta disponibilidade para nos deixarmos afetar pelos resultados da nossa equipa como sinal de uma inclinação muito masculina para querer ensombrar qualquer lampejo de felicidade absoluta. Talvez, mas não há volta a dar. Por melhor que nos esteja a correr a vida, tudo pode soar a um enorme falhanço se o nosso clube perde. Da mesma forma, que nos momentos de maior angústia, uma vitória surge como um lampejo de esperança, capaz de iluminar tudo.

Hoje já não sou o miúdo que chorava com uma infelicidade absoluta com as derrotas do Benfica, mas, por mais controlo que finja, o meu estado de espírito depende dos resultados do meu clube. Sei bem que se, por absurdo, estivesse a minutos de receber um Óscar, a minha alegria estaria condicionada pelo momento do Benfica. Nisso, julgo não ser diferente de milhões de benfiquistas. É por isso que, como adepto, exijo aos jogadores que, de cada vez que subam ao relvado, não se esqueçam de que o que sentimos depende do que vocês fazem. Pensem nisso.

publicado hoje no Record

Uma (muito boa) descrição

Filmlyfe">http://vimeo.com/104458064">Filmlyfe: Beren Hall
from STABhttp://vimeo.com/user977493">STAB> on Vimeo.https://vimeo.com">Vimeo.>

segunda-feira, 8 de Setembro de 2014


quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

O complexo de Artur


Dia 7 de julho. Há quase dois meses. Foi aí que o Benfica começou a construir o empate em casa com o Sporting. Logo no arranque da temporada, foi noticiado que Oblak abandonaria o clube. Como se demorou demasiado tempo a encontrar alternativa ao esloveno, estávamos condenados a jogar com Artur – que é hoje um guarda-redes totalmente incapaz para defender as redes do Benfica.

Foi Valdano, a propósito do temor que na década de 80 o público do Santiago Bernabéu inspirava nos adversários do Real, que primeiro falou de “medo cénico” aplicado ao futebol. Artur padece de “medo cénico”, é incapaz de resistir à pressão das grandes partidas e não há psicanalista capaz de resolver o problema. Não se percebe por isso a insistência no brasileiro, para além de todos os limites.

O problema não foi o erro inexplicável que ofereceu o golo ao Sporting. A questão é outra: Artur não oferece rigorosamente nada do que é exigido a um guarda-redes de uma equipa grande. É certo que tem talento para defender grandes penalidades, mas como futebol não é andebol (em que se podem fazer substituições a todo o momento), não se trata de um atributo particularmente importante.

O que se espera de um guarda-redes de um grande é, no essencial, que tranquilize a defesa, que jogando bem com os pés permita à equipa avançar uns metros no terreno, que dê segurança nas bolas paradas (de onde vem o essencial do perigo das equipas adversárias) e que tenha resistência psicológica para os jogos decisivos. Em qualquer destes itens, Artur não é mau, é péssimo e não é por fazer uma defesa aparatosa que o deixa de ser.

Quando o Benfica estava em vantagem, tinha o jogo controlado, foi o complexo de Artur, devidamente potenciado pelos adeptos (que estupidamente não resistem à dinâmica do assobio), que deu cabo do jogo e ofereceu o empate ao Sporting. Sentiu-se na equipa e ainda mais nas bancadas. O que exaspera é que estava escrito que isto iria acontecer. O que só torna mais incompreensível a insistência no erro.

publicado ontem no Record.

quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

"Manéis" a mais


O aspeto mais positivo da exibição do Benfica contra o Boavista é que, a partir de agora, a equipa só pode melhorar.

É um facto que a organização defensiva foi, uma vez mais, muito competente, mas, também, talvez valha a pena recordar, a qualidade da equipa do Boavista só é comparável à da equipa de arbitragem. O que se anuncia, aliás, é um campeonato nacional nivelado por baixo, com um decréscimo de qualidade evidente – a provar o absurdo desta sucessão de alargamentos.

Por muita capacidade que Salvio e Gaitán tenham de acelerar e verticalizar o jogo, não há milagres. Uma equipa que no corredor central joga, em simultâneo, com Talisca, Jara e André Almeida terá sempre dificuldades em controlar as partidas. Uma coisa é jogar com um “Manel”, outra, diferente, é jogar com três ou quatro em simultâneo. O Benfica tem andado a abusar da sorte e a jogar com demasiados “Manéis”.

Já se percebeu, se dúvidas existissem, que Jorge Jesus não alterará a sua ideia de jogo. O treinador benfiquista é fiel ao seu sistema, mesmo quando lhe faltam jogadores capazes de o interpretar na plenitude. Entre jogar, por exemplo, com Gaitán atrás de Lima ou manter o argentino nas alas, Jesus optará sempre pela solução conservadora, mais fiel à sua ideia de jogo. A opção é legítima, mas é também mais exigente.

No fundo, o Benfica 2014/15, para funcionar, vai precisar de encontrar clones dos jogadores que tiveram sucesso no passado. Talisca (ainda?) não é, nem de perto nem de longe, um clone de Enzo, e muito menos de Rodrigo. Tem dificuldades gritantes para manter a posse de bola (é, a este propósito, o anti-Enzo) e falta-lhe a capacidade de verticalizar o jogo de Rodrigo. Já Jara começa a ser uma opção difícil de compreender: esteve em Espanha, voltou à Argentina e regressou com a mesma incompreensão em relação ao jogo de futebol.

Com Enzo e com um outro avançado, é certo, tudo mudará de figura. Mas o que custa perceber é como é que se demorou tanto tempo a planear uma época que tem um dérbi já no domingo.

publicado no Record de terça-feira

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Uma ilusão


Uma das transformações mais surpreendentes do futebol português nos últimos anos é de natureza lexical: a palavra “ilusão” (que significa, em português, um engano dos sentidos ou do pensamento) passou a ser utilizada também, e de forma indiscriminada, com o seu sentido castelhano (que é sensivelmente o contrário, uma esperança colocada em algo positivo). Não passa um dia sem que se leia, num jornal desportivo, um jogador a dizer que tem uma grande ilusão em relação ao seu futuro no clube A ou B.

Pois a estreia do Benfica no campeonato pode ser descrita como uma combinação do significado português e castelhano de ilusão. Há motivos para esperança, mas também há indícios de que podemos estar equivocados em relação à temporada que agora se iniciou.

A esperança alicerça-se nos sinais que foram de novo dados de que temos uma organização já consolidada, com princípios de jogo interiorizados e com jogadores capazes de os colocarem em prática. Percebe-se, em muitos momentos do jogo e, essencialmente, na dinâmica entre alguns jogadores (por exemplo, na forma como Salvio e Maxi atacam), que há muito trabalho já feito que não começou ontem. Mais, quando é preciso promover ruturas, a classe da Gaitán, Salvio e Lima emerge; da mesma forma que quando é necessário equilibrar a equipa, Luisão, Rúben e Enzo surgem.

Mas, não nos iludamos, as razões para ceticismo mantêm-se.

Continuamos com uma equipa curta. Há posições chave onde há um verdadeiro vazio – basta recordar que o ano passado tínhamos três avançados com características muito distintas, mas todos de muita qualidade (Cardozo, Rodrigo e Lima), sendo que este ano temos apenas um (Derley pode revelar-se uma aposta interessante, mas ainda não o é); até ver, os reforços não reforçaram, limitaram-se a compensar, com diminuição de qualidade, algumas das saídas; finalmente, há poucas alternativas para muitas posições.

Este Benfica chegou para o Paços de Ferreira, mas o Benfica que vimos, durante o período em que Jara e Talisca coexistiram no corredor central ofensivo, dificilmente vencerá contra adversários mais fortes.

Para já, não nos iludamos, mas continuemos com a ilusão de sempre.

publicado no Record de terça-feira